Download IGNOU BCA Study Materials Books New Revised

IGNOU Political Science Materials in PDF Upsc Materials

|Read Pdf Ô A Coroa, a Cruz e a Espada Ð eBook or Kindle ePUB free

|Read Pdf ⚷ A Coroa, a Cruz e a Espada Ì No Quarto Volume Da Consagrada Cole O Terra Brasilis Com Mais De Meio Milh O De Exemplares Vendidos O Escritor Eduardo Bueno Tra A Um Panorama Impressionante Da Primeira Tentativa De Coloniza O Do Brasil Feita Com Dinheiro Da Pr Pria Coroa Portuguesa Com Uma Narrativa Repleta De Detalhes Saborosos, A Coroa, A Cruz E A Espada Revela A Origem De Algumas Mazelas Que, Anos Depois, Ainda Minam O Desenvolvimento Do BrasilNo Quarto Volume Da Cole O Terra Brasilis, Eduardo Bueno Explica As Origens De Um Brasil Corrupto E Burocrata Povo Que N O Conhece A Sua Hist Ria Est Condenado A Repeti La O Jornalista Eduardo Bueno Reconhece Que A Frase Feita N O Passa De Um Chav O, Mas A Considera Perfeita Para Definir A Import Ncia Da Cole O De Hist Ria Com A Qual J Conquistou Meio Milh O De Leito A Coroa, a Cruz e a Espada Terra brasilis 4 Eduardo Bueno 280 p ginas, Objetiva 1998 Lido de 03.06.19 a 06.06.19 NITROLEITURAS hist riaSINOPSENo quarto volume da consagrada cole o Terra Brasilis com mais de meio milh o de exemplares vendidos o escritor Eduardo Bueno tra a um panorama impressionante da primeira tentativa de coloniza o do Brasil feita com dinheiro da pr pria Coroa portuguesa Com uma narrativa repleta de detalhes saborosos, A Coroa, a Cruz e a Espada revela a origem de algumas mazelas que, 450 anos depois, ainda minam o desenvolvimento do Brasil.No quarto volume da cole o Terra Brasilis, Eduardo Bueno explica as origens de um Brasil corrupto e burocrata Povo que n o conhece a sua hist ria est condenado a repeti la O jornalista Eduardo Bueno reconhece que a frase feita n o passa de um chav o, mas a considera perfeita para definir a import ncia da cole o de hist ria com a qual j conquistou meio milh o de leito.RESENHAAqui o foco na coloniza o do Imp rio Portugu s no Brasil, um per odo marcado por investimentos da Coroa portuguesa e de muitas turbul ncias e eventos incr veis em terras brasileiras Os personagens hist ricos s o fascinantes e a constru o das col nias s o repletas de pr ticas corruptas que se prestam para analogias com o presente de nosso pa s.Gostei muito das hist rias fant sticas sobre o Bispo Sardinha, uma esp cie de vil o de Game of Thrones ou o nosso Cardeal Richelieu Doidimais Um livro fascinante para quem queira conhecer de perto a hist ria O livro consegue um olhar interessante para eventos do Brasil Col nia inicial Quem busca compreender as biografias de figuras chave do come o de nossa hist ria, e a articula o das tramas interpessoais que eram a mat ria prima da pol tica da poca vai encontrar aqui um prato cheio Como trabalho introdut rio, a obra cumpre muito bem a fun o de tra ar um panorama vivo e despertar o interesse por meio de narrativas A bibliografia do final tamb m ajuda bastante quem n o especialista, mas quer pesquisar pelos mais diversos motivos escrever um roteiro, ter algum insight sobre a economia cotidiana da col nia, pesquisa para jogos, etc H fontes prim rias, citadas junto com estudos importantes, como Burocracia e Sociedade no Brasil Colonial, do Schwartz N o h como negar que o livro acaba transpirando um pouco superficialidade nas entrelinhas Ao insistir em explicar as mazelas brasileiras por causa da cultura do jeitinho e do apadrinhamento , por exemplo, o autor acaba recorrendo a um senso comum que poderia ter sido evitado Talvez Bueno fez isso para agradar leitores, talvez realmente lhe falte forma o hist rica Uma leitura de cl ssicos como A hist ria da vida privada , volume I, Paul Veyne, sobre o Imp rio Romano, mostra como praticamente qualquer sociedade pr industrial se organiza com base em rela es interpessoais, bem parecidas com o esquema brasileiro, sem que isso tivesse prejudicado seu desempenho ou progresso naquele contexto Se hoje, no Brasil cada vez mais industrializado do s culo XXI, a corrup o incomoda e deve incomodar aplicar retroativamente ju zos de valor n o a melhor receita para compreender a hist ria de um pa s De qualquer forma, os pr s compensam bem esses contras Em primeiro lugar, Bueno um bom narrador, que tem facilidade em tornar a mat ria interessante Em linhas gerais, como ele mesmo ressaltou, seu trabalho consiste em rescrever os cronistas com uma linguagem atual e acess vel N o h d vida de que nesse sentido, ele fez um bom trabalho Al m disso, no Brasil, h um v cuo de narrativas hist ricas mais centradas nas biografias e tramas interpessoais escritas em linguagem atual Nos anos 40, 50, 60 e 70 houve uma renova o nos livros de hist ria, que passaram a enfatizar mais os processos do que os eventos Se a profundidade das an lises melhorou, por um lado, por outro houve certa ca a s bruxas aos livros factuais, que bem ou mal t m sua import ncia As pessoas continuam com sua curiosidade em entender quem eram aquelas pessoas, suas ambi es pessoais, seu estilo de vida Para o leitor que quer conhecer as trajet rias dessas figuras, ou aspectos factuais como o pre o de uma caravela, ou quem eram os funcion rios p blicos daquela poca, o livro o uma refer ncia. Livro leve no in cio, mostrando um aparato do reinado portugu s para tentar organizar a col nia Vemos os prim rdios do nepotismo com a ascens o dos letrados um pouco da lenda vida de Caramuru, um dos turgim es chegados ao Brasil al m de uma lista que vai de homicidas, hereges, at estupradores que foram degredados ao Brasil Tom de Sousa, para construir a primeira capital, conta com uma equipe enorme e ineficiente, cara demais ao er rio r gio J na constru o das muralhas, vemos a ideia do arremate leil o para contratar empreiteiro, mas que v o se utilizar de materiais bem aqu m Visualizamos o interior de uma casa de poca e sabemos do vinho de mel dos nativos, mal visto pelos concorrentes vinhos de al m mar J que o jesu ta N brega n o conseguia catequizar direito o gentio, que venha o bispo Sardinha Ao acompanhar Tom de Sousa, N brega vai at S o Vicente e a renomeia S o Paulo Agora, em 1553, sabem de ouro na regi o rumo ao Peru , ent o se instaura o caos, mas por incompet ncia do novo Governador Geral, Duarte da Costa.Detalhes como havia aceito e tinha ganho atrapalham um pouco a leitura.